7 de Maio de 2009

Critica Campo Pequeno - Revista Novo Burladero
" Sou Português Sou Aficionado... Adoro o Rejoneo..."

(...) A corrida começara de forma dramática, com um verdadeiro milagre à mistura. O primeiro toiro a sair à arena lisboeta não deixou António Ribeiro Telles desenhar a sorte de gaiola com que o queria receber, e na tira consequente colheu o "Ópio" de forma assustadora contra as tábuas, caindo cavalo e cavaleiro junto ao estribo com tal violência que só a intervenção de Nossa Senhora do Castelo evitou uma desgraça. Reagiu o cavaleiro, que saiu ileso da queda, com a casta dos eleitos, e saindo montado no "Rondeño" deu uma lição de maestria e pundonor. Toureirissimo na brega, foi um regalo vê-lo preparar as sortes com sapiência e conhecimento dos terrenos, para deixar dois compridos poderosamente cravados, seguindo-se quatro curtos em sortes frontais e descaradas, entrando nos terrenos do apagado antagonista para consumar com verdade.
O quarto "passanha" saiu aos irmãos e também se moveu com dificuldade. A lide foi em crescendo, iniciada com asseio no "Poeta" para depois ser completada com o "Santarém" de forma categórica, em especial com dois ferros sublimes, quarto e quinto, com verdadeiras entradas frontais, entrando pelo toiro dentro para cobrar os ferros mais autênticos da noite. (...)

 

 


In, Revista Novo Burladero, Edição Nº247, Junho de 2009, " Sou português, sou aficionado..,.Adoro o Rejoneo!", por João Queiroz